Situada no cérebro, a glândula hipófise é encarregada de secretar o FSH (hormônio folículo), responsável por estimular o crescimento dos folículos dos ovários. Todo mês, o FSH prepara alguns óvulos do ovário para o amadurecimento.

Esse processo ocorre dentro de bolsas cheias de fluídos chamados folículos. Os folículos se encarregarão de produzir o hormônio estrogênio. Esse hormônio produzido ativa o desenvolvimento do endométrio, uma camada espessa do útero que cumpre a função de alimentar o embrião em caso de gravidez.

Após duas semanas, a hipófise irá secretar o LH (hormônio luteinizante), fazendo com que o óvulo mais maduro do ovário se desprenda do folículo. Em algumas situações, há a liberação de dois óvulos. Se ambos fertilizarem, a gravidez poderá ser de gêmeos.

Folículo estimulante e LH começarão a produzir a progesterona e o estrogênio, garantindo o crescimento da camada espessa do útero, rica em nutrientes para alimentar o embrião.

O óvulo liberado é encaminhado para dentro do útero, causando a fecundação no possível encontro com um espermatozoide.

Após o ato sexual, o espermatozoide permanecerá vivo dentro da mulher até 72 horas. O óvulo vive em média 24 horas no corpo feminino. Logo, a probabilidade de gravidez tendo relações alguns dias antes ou depois da evolução é alta. No caso de fecundação, o embrião começará a se desenvolver dentro do útero.

Quando não acontece a fecundação, o óvulo se desintegra e a produção de estrogênio e progesterona caem. Esse processo desencadeia no descamamento da camada espessa do útero (que serviria de alimento para o embrião), provocando a menstruação, fechando o ciclo menstrual.

Ciclo Menstrual